COVID-19 e Religião

28/04/2020

Como entidades religiosas têm atuado no combate à pandemia.

Dos católicos na península itálica a muçulmanos na Ásia, entidades religiosas vêm desempenhando um papel expressivo no combate ao novo coronavírus. Indiferente da crença, essas entidades têm se aliado a governos, angariado fundos, promovido doações e coordenado iniciativas em todos os continentes.

Na República Islâmica do Irã, mesquitas inteiras foram convertidas em fábricas para suprir a descomunal demanda por produtos médicos no país. Com o apoio de voluntários vindos de diferentes províncias iranianas, esses espaços religiosos têm produzido máscaras diariamente, aumentando os estoques de seus hospitais e distribuindo-as nas áreas mais carentes da capital Teerã.

Em Myanmar, país de maioria budista no Sudeste Asiático, a comunidade muçulmana, que conta com aproximadamente 4% da população, também tem exercido um papel de relevância. Apesar de historicamente perseguida, essa comunidade colocou mais de mil mesquitas à disposição do governo de Myanmar para auxiliar no combate ao vírus, abrindo seus templos para toda a população.

Na Itália, por muitos confundida como sede do Papado, a Igreja Católica tem mobilizado sua ampla rede de fiéis e atuado junto ao Estado e à Sociedade Civil na luta contra a Covid-19. Por meio de suas dioceses, a Igreja já disponibilizou quase 100 edifícios seus ao governo italiano para serem utilizados como "hospitais de campanha". Dentre outros atos, a Igreja já doou mais de 10 milhões de euros para financiar ações contra a pobreza gerada pela atual crise, como a distribuição de alimentos àqueles que perderam seus empregos.

No diverso Reino Unido, iniciativas têm sido tomadas por diferentes grupos religiosos. Entidades muçulmanas, por exemplo, têm angariado fundos para a compra de materiais de proteção médica, distribuído milhares de refeições de graça a pessoas idosas que têm de permanecer isoladas, bem como produzido máscaras a serem compartilhadas com comunidades pobres de todo o país. Na mesma direção, fiéis das mais distintas doutrinas cristãs vem promovendo amplas ações de caridade por todas as ilhas britânicas.

Se, quanto às crenças, entidades religiosas apresentam divergências entre si - uma das mais antigas e atuais causas de conflitos no planeta - quanto às ações práticas contra a Covid-19 elas parecem atuar de forma bem semelhante.


Matheus Tavares

Estudante de Direito na FGV/Direito Rio.