Itália

27/04/2020

No dia 27 de abril de 2020, a Itália contava com 106.527 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 e 26.977 mortes identificadas como causa a Covid-19, segundo dados oficiais do governo italiano. Ao todo, o país já teve 199.414 pessoas testadas positivo para o novo coronavírus desde o primeiro caso notificado, no dia 30 de janeiro de 2020. Tido como uma das nações mais afetadas pela pandemia até agora (27 de abril de 2020), a Itália será objeto de análise do presente relatório, que evidenciará as principais medidas sendo tomadas contra a crise sanitária por agentes do Estado, da Sociedade Civil e do setor empresarial.

Em virtude das características de sua divisão administrativa interna, a Itália conta com diferentes medidas do setor público em âmbito nacional (Itália inteira), regional (Lombardia, Vêneto, Piemonte, etc.), e em suas províncias e comunas (cidades - tradução livre). Aqui serão elencadas medidas existentes em todas as subdivisões a fim de demonstrar como diferentes iniciativas estão sendo tomadas a despeito da peculiaridade de cada localidade, sempre explicando quais as partes envolvidas nos projetos.

No âmbito público, a principal medida tomada é o Decreto Cura Italia. Semelhante a uma Medida Provisória, editada no dia 17 de mar. de 2020 e convertida em permanente pela "Câmara dos Deputados" italiana no dia 24 de abr. de 2020, o Decreto é um pacote com medidas emergenciais para balizar as ações estatais contra a Covid-19, dentre as quais destacam-se: i. previsão do pagamento parcial de salários de funcionários de empresas forçadas a suspender as atividades em razão da pandemia; ii. vale de 600 euros a trabalhadores autônomos ou temporários, bem como a pais que seguem trabalhando e precisam pagar babás; iii. suspensão do pagamento de contribuições previdenciárias para empresas com faturamento anual inferior a 2 milhões de euros; iv. Suspensão de financiamentos imobiliários por nove meses em determinados casos, dentre outras providências. 

(Catedral de Milão, no norte do país)
(Catedral de Milão, no norte do país)

Para além de benefícios fiscais, o governo central italiano tem tomado diversas medidas inovadoras também no campo tecnológico. Por meio de endereços eletrônicos, o governo tem mantido a população informada, freando Fake News, e, concomitantemente, fornecendo meios para tentar normalizar a estranheza gerada pelo distanciamento social. Mediante o projeto "Solidarietà Digitale", o Estado tem mantido uma plataforma online com acesso a diferentes serviços e soluções, tais como jornais gratuitos, plataformas de smartworking, plataformas de e-learning, dentre outras iniciativas que tentam facilitar a vida de quem não pode sair de casa.

A inovação tem sido um componente importante das ações tomadas pelo governo da Itália. Da união do Ministério para a Inovação Tecnológica e Digitalização (tradução livre) e o Ministério da Saúde, criou-se a "Task Force italiana per l'utilizzo dei dati control'emergenza Covid-19", grupo multidisciplinar de experts focado em desenvolver situação data-driven para a pandemia. Na mesma direção, o Ministério da Saúde realizou o "Innova per l'Italia", chamada para eleger as melhores soluções digitais contra a propagação do vírus.

Para além das ações estatais, a Sociedade Civil italiana também tem se valido da tecnologia para agir contra o Sars-CoV-2. Por meio de um mapa acessível pela internet, a Anpas tem possibilitado que trabalhos voluntários em todos os cantos da Itália sejam catalogados e descobertos por quem os necessita, bastando abrir o site para ver quem pode te ajudar perto da tua casa. Também via internet, o projeto "In Gioco con i Bambini" tem auxiliado no bem-estar das crianças em isolamento social, mantendo site com plataforma de jogos e aprendizados gratuitos. E, por fim, o grupo "Mi importa di te", tem mobilizado uma rede de pessoas dispostas a, voluntariamente, conversar via telefone ou videochamada com pessoas que se sentem sozinhas a fim de romper o isolamento social e promover alguma interação humana.

Unida à Sociedade Civil e ao Estado, a Igreja Católica também tem desempenhado um papel de relevância na luta contra a Covid-19. Seja por meio do empréstimo de seus edifícios a iniciativas contra a pandemia, seja por meio de doações, a instituição religiosa tem realizado um trabalho efetivo. Através de suas dioceses, a Santa Sé já doou mais de 3 milhões de euros e dezenas de respiradores para auxiliar hospitais italianos, além de 10 milhões de euros para ações de combate à fome via Cáritas. Junto da prefeitura de Milão, a diocese milanesa gerencia o Fondo San Giuseppe, fundo criado a partir de doações que tem como objetivo ajudar aqueles que perderam seus empregos em razão da atual crise.

O setor privado, a seu turno, tem realizado incontáveis iniciativas por todo o país. Muitas vezes aliado a Fundações e Associações, os empresários italianos têm destinado vultosas quantias no combate ao vírus. À título de exemplo, o site de crowdfunding "Italia non profit", em seção especial para doações relativas à Covid-19, revela 88 iniciativas de fundações de origem bancária e 118 de sociedades privadas. Apesar de ligadas a instituições privadas, elas recebem doações de qualquer indivíduo, revelando uma característica comum das ações em curso na Itália: seja com a Igreja, com o Estado ou com ONGs, o envolvimento é total e entre todos.